Desoneração do IPI eleva vendas do varejo

Desoneração do IPI eleva vendas do varejo

 

O mercado varejista estima que as vendas em março tenham uma alta de 6,5%, em comparação com o mesmo período do ano passado.

 

 

 

Esta é a projeção do IAV (Índice Antecedente de Vendas), estudo realizado mensalmente com os associados do IDV (Instituto para Desenvolvimento do Varejo), que já havia previsto e, posteriormente, constatou altas de 6,5% e 7,4% nas vendas de janeiro e fevereiro, respectivamente.

Um dos fatores que influenciaram fortemente este crescimento foi a desoneração do IPI para os eletrodomésticos de linha branca, implantada pelo governo em dezembro do ano passado. Ainda de acordo com o estudo, as vendas de abril e maio estão indicando uma redução da taxa de crescimento em relação aos meses anteriores, o que preocupa o IDV, pois, em geral, são períodos considerados bons para o varejo.

O IAV-IDV aponta que o crescimento das vendas em abril será de 6,2% e em maio, de 5,6%. “Por isto, é fundamental que o governo mantenha essa desoneração do IPI para os eletrodomésticos de linha branca por mais seis ou 12 meses, uma vez que este decreto deixará de vigorar após 31 de março. O IDV está justamente demonstrando junto ao governo a necessidade de que ele seja renovado”, explica o presidente do instituto, Fernando de Castro. “Seria importantíssimo que essa medida pudesse ser estendida para outros setores de bens duráveis, que são fortes alavancadores de vendas e de atividade econômica em geral, tais como móveis, materiais de construção e artigos eletrônicos”, completa Castro.

Um dos setores mais otimistas é o de bens duráveis, em particular o de equipamentos de informática, com projeção de crescimento de 9,5% em março, em relação ao mesmo período do ano passado. “Este segmento foi o destaque em 2011 e deve continuar em alta, mais uma vez, impulsionado pelo bom momento do mercado de trabalho, baixo nível de desemprego, o menor desde 2002, crescimento da massa salarial, forte expansão do crédito e, finalmente, pela alta confiança do consumidor”, analisa o economista do IDV Rodolfo Manfredini. As projeções de crescimento deste segmento para abril e maio são de 9% e 9,3%, respectivamente.

 

Fonte: Redação Supermercado Moderno