Ypióca é disputada por 3 indústrias

04/05/2012 08:05

Diageo, Campari e Pernod Ricard, as três peso-pesados do negócio global de bebidas destiladas, estão de olho na cearense Ypióca, fabricante de aguardente fundada em 1846. As negociações visam a compra da marca de cachaça, uma das maiores do país após a 51 e a Pitu, e também seus alambiques, sistemas de envase e logística.

Procurada, a Ypióca afirmou não ter nada a declarar sobre o assunto no momento.
Se o motivo por trás das negociações para a venda da cachaça Ypióca ainda se encontra nebuloso, a razão que levou as multinacionais a entrarem na briga pelo mercado de aguardente brasileiro está mais do que clara.

“A cachaça é o único produto além da cerveja distribuído em todos os bares do país. Se você tiver uma marca de cachaça forte e conseguir trabalhá-la direito, terá uma oportunidade enorme para fazer sucesso dentro e fora do país”, diz Adalberto Viviani, diretor da Concept, consultoria especializada no negócio de bebidas.

O reconhecimento da cachaça pelos americanos, que deixará de ser exportada como rum brasileiro, chega em um momento propício. Embora o Brasil tenha 30 mil produtores de cachaça, cerca de 90% do mercado está concentrado nas mãos de 10 empresas. A líder do mercado é a Cachaça 51, da Companhia Muller de Bebidas, seguida pela Pitú, da empresa pernambucana de mesmo nome, e que detém a liderança no Nordeste. A terceira posição é da Ypióca, que deve vender R$ 230 milhões de cachaça neste ano.

 

Fonte: Brasil Econômico