Rondônia fica fora do Pacote de obras de infraestrutura para o transporte do Governo Federal

18/08/2012 09:50

Obras como Hidrovia do rio Madeira, Duplicação da BR-364, Ferrovia Transcontinental, ponte sobre o rio Abunã estão no pacote de concessões do Governo Federal para ampliação de investimentos em rodovias e ferrovias. O alerta é do presidente da Federação do Comércio de Rondônia, Raniery Coelho, que levará a situação ao conhecimento e debate do Forum de Presidentes da Amazônia Legal, que será em Manaus, dia 29 a 30 de setembro.

Raniery mais uma vez defendeu a vinda de investimentos para o Estado. “O Governo pode até não abrir concessões para essas obras, mas que pelo menos construa com recursos próprios. Não podemos é ficar com essas demandas atrasando o desenvolvimento regional”, avaliou ao lembrar o grande momento econômico que atravessa o Estado.

A Fecomércio-RO realiza debates com os empresários e representantes do segmentos do setor produtivo sobre essas obras, mostrando as necessidades de cada uma, dentro do contexto macroeconômico de escoamento de produção e intercâmbio comercial com os países fronteiriços. Raniery ressaltou ainda que além dessas três obras, outras precisam urgentemente da atenção do Governo Federal que são o término da BR-319 (Manaus – Porto Velho), Porto da capital e a Internacionalização efetiva do aeroporto Jorge Teixeira.

Em junho desse ano, o Fórum Pró-Rondônia, formado pela Fecomércio, e outros órgãos parceiros do setor produtivo discutiu esses projetos e, ao final, enviaram uma Carta-Manifesto à Presidente Dilma Roussef, ao Ministério do Transporte, bancada federal de Rondônia e governador Confúcio Moura pedindo a viabilização desses projetos, destacando-os como essenciais para o desenvolvimento da região Amazônica.

FERROVIA

A Ferrovia Transcontinental fará a ligação entre os oceanos Pacífico e Atlântico, com início no Rio de Janeiro, passando pela região Centro‐Oeste e chegando a Rondônia por Vilhena até Porto Velho, de onde seguirá até a divisa com o Peru atravessando o Estado do Acre. As relações comerciais com o Peru e o Estado nunca tiveram tão próximas de se concretizar. Na semana passada, a 1ª Expo Peru da Amazônia, em Porto Velho, recebeu uma comitiva de empresários e autoridades peruanos interessados em abrir um intercâmbio comercial.

BR-364
A Duplicação da BR‐364 torna‐se necessária porque hoje é o modal por onde passa grande quantidade de produtos. A rodovia está deteriorada devido ao trânsito de carretas que diariamente chegam à capital trazendo desde maquinários das usinas do Madeira, alimentos e outros. rodovia de fundamental importância para o escoamento da produção de toda a região Norte e Centro Oeste do País, interligando inclusive o Caribe.

HIDROVIA DO MADEIRA
A Hidrovia do Madeira precisa ser efetivamente implantada. O maior problema está na falta de sinalização, dragagem, pedrais e mapeamento eco‐batimétrico (mede a profundidade do rio). Somente em 2010, a hidrovia foi responsável pelo transporte de mais de 3,6 milhões de toneladas de cargas como milho, açúcar e eletrônicos, entre os portos de Itacoatiara e Santarém. hidrovia do rio madeira localizado no corredor norte especializado no transporte de soja. Atualmente transporta cerca de 2 toneladas/ano.

AEROPORTO JORGE TEIXEIRA
O aeroporto Jorge Teixeira, em Porto Velho, tem status de Internacional, mas só no nome. Nunca operou com voos internacionais efetivos, fugindo de sua finalidade e das atribuições pelo qual recebeu investimentos federais. A abertura da fronteira para o comércio internacional com os países da América Andina favorece o turismo. A Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) publicou Portaria no dia 6 de agosto de 2012 possibilitando voos semanais entre Brasil e Peru à empresa aérea TAM.

BR-319
Vai melhorar ainda mais o escoamento da produção entre o Estado do Amazonas e Rondônia, principalmente entre as capitais dos dois Estados, Manaus e Porto Velho. A recuperação dos 400 quilômetros restantes da BR-319 está orçada em R$ 400 milhões. Ao todo, a estrada possui 859 quilômetros de extensão. O Dnit aguarda a conclusão dos estudos de impacto ambiental para recomeça-la. A BR 319 é outra via de escoamento de produtos de Rondônia. O Amazonas é um dos grandes consumidores de carne, peixe e hortifrutigranjeiros produzidos em Rondônia.

 

Fonte: Fecomércio-RO