Preços de carne e leite resistem mais para cair

17/04/2014 11:05

A inflação dos alimentos, responsável por mais da metade do IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) de 0,92% em março, pode não ter efeito temporário. Alguns produtos agrícolas têm mostrado resistência na alta, o que, na opinião do coordenador de Projetos do Centro de Estudos Agrícolas da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV), Mauro Lopes, derruba a avaliação que parece predominante no governo de que há sinais de acomodação dos preços dos alimentos.

"Produtos como a carne e o leite há tempos estão com seus preços em trajetória de alta. Os itens de hortifrútis, sim, são sazonais, mas a carne, especialmente a bovina, e laticínios não são mais", disse Lopes.

De acordo com o especialista, os índices que medem os preços ao produtor indicavam alta no atacado. Para o produtor paulista, por exemplo, os preços do boi gordo subiram 10% desde o início do ano. Já no atacado com osso, as peças acumularam alta de quase 20% no período.

Lopes atribui a pressão de alta da carne bovina ao aumento da renda do brasileiro, com programas de transferência de renda e reajustes do salário mínimo. "Não sou contra as políticas sociais, mas há um preço, que é o aumento do consumo e da inflação. Tem essa pressão e a melhor coisa que se pode fazer é o governo não atrapalhar. Mas nós estamos vivendo, sim, pressão de alimentos, com uma 'inflação' de demanda."

 

Fonte: O Estado de S. Paulo