Preços de carne suína registram forte retração no mercado

28/03/2012 09:23

Segundo técnicos do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), as recentes quedas se devem ao ritmo mais fraco da demanda no mercado doméstico, o que pode estar atrelado às baixas também da carne bovina. Já a carne de frango, mais barata, tem se sustentado mais que as concorrentes em março.

 

 

 

As cotações do suíno vivo e das demais carnes seguem em retração em todo o país, com as médias de todas as regiões consultadas pelo Cepea acumulando baixa em março. Os valores atuais são os menores observados desde setembro de 2011. A redução do preço ao longo de março surpreendeu o setor, que esperava aumento da demanda e valorização da carne após o período de férias e o Carnaval.

Outro fator que poderá justificar a queda, observada ao longo de março, é o ritmo mais lento das exportações de carne suína. Segundo o Cepea, exportadores consultados pela entidade relataram que os embarques estariam em ritmo mais lento.

Descarte - Segundo os dados da consultoria Safras & Mercados, o recuo nos preços da carne suína também é justificado por uma produção elevada, que foi incentivada pela expectativa de incremento nas vendas voltadas para os mercados chinês e dos Estados Unidos. As negociações estão evoluindo, mas não tão rapidamente a ponto de trazer resultados imediatos.

Além disso, os suinocultores têm descartado maior volume de animais vivos para abate, o que pode estar relacionado ao elevado preço dos insumos e também ao receio de que a desvalorização do produto aumente. "Na terceira semana de março tivemos um enfraquecimento significativo dos preços, o que foi observado também para as carnes de frango e bovina", disse o analista de Safras & Mercado, Felipe Netto.

A tendência é que os preços continuem em queda no decorrer da atual semana. Isso devido à demanda mais fraca no período. Em relação aos custos, a expectativa é que as cotações do milho comecem a ceder um pouco devido ao incremento no ritmo da colheita da safra de grãos.

A redução dos preços do milho e da soja será fundamental para reduzir os custos de produção dos suinocultores em um momento de queda de preços. Os custos com alimentação do plantel respondem por cerca de 60% dos gastos totais. Os custos com o quilo do animal vivo variam entre R$ 2,75 e R$ 3, dependendo da tecnologia aplicada.

A análise de preços de Safras & Mercado indicou algumas alterações de preço nesta semana em relação à anterior. Em Minas Gerais o quilo do suíno vivo foi vendido a R$ 2,60, contra R$ 2,75 da semana passada.

 

Fonte: Diário do Comércio Minas Gerais