Intenção de consumo de Porto Velho volta a crescer em junho

13/07/2013 13:23

Segundo a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Rondônia-FECOMÉRCIO/RO, que em conjunto com a Confederação Nacional do Comércio-CNC, realizou a Pesquisa de Intenção de Consumo das Famílias (ICF) das famílias de Porto Velho, no mês de junho, depois de ter caído em maio, a intenção de consumo das famílias de Porto Velho cresceu de 127,6 pontos, em maio, para 131,1 pontos, em junho, ou seja, 2,7%. A alta foi maior do que a nacional que apresentou uma leve alta de 1,9% (130,1 pontos), em junho, em comparação com o mês imediatamente anterior, e queda de 3,8% em relação a junho de 2012, mas, que ficou -0,8% abaixo da intenção de consumo de Porto Velho. Entre os sete itens pesquisados seis tiveram um desempenho positivo com destaque para o Momento para Duráveis que subiu 9,1% e  o Nível de Consumo Atual que subiu 7,9% em junho. Apenas o Emprego Atual teve uma leve queda de -0,7%.

 

INTENÇÃO DE CONSUMO DAS FAMÍLIAS DE PORTO VELHO- Junho de 2013

INDICE

Abril

Maio

Junho

Variação% Maio/Junho

INTENÇÃO DE CONSUMO DAS FAMÍLIAS

132,0

127,6

131,1

2,7%

Emprego Atual

134,6

138,3

137,3

-0,7

Perspectiva Profissional

145,0

144,4

144,6

 0,1

Renda Atual

149,9

142,4

146,1

2,7

Acesso à Credito

146,6

137,2

139,9

2,0

Nível de Consumo Atual

103,6

96,8

104,4

7,9

Perspectiva de Consumo

122,4

118,2

118,4

0,2

Momento para Duráveis

122,1

116,2

126,8

9,1

Fonte: CNC/Fecomércio-Pesquisa Direta

Os dados da pesquisa de Intenção de Consumo de Porto Velho revelam que, apesar do  endividamento ter subido, e o acesso ao crédito ter se mantido praticamente estável (crescimento leve de 2%) , a intenção de consumo das famílias de Porto Velho voltou a se elevar no sentido contrário a intenção de consumo das famílias de Porto Velho cresceu por conta do mais alto nível de consumo atual (+7,9%) e da percepção que é um bom momento para comprar bens duráveis (+ 9,1%) ainda que a perspectiva de consumo futura não tenha melhorado (+0,2).

Para o presidente da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Rondônia, Raniery Araújo Coelho, as condições atuais com as manifestações de ruas e, muitas vezes, o fechamento obrigatório do comércio por falta de ônibus e por conta de possíveis atos de vandalismo, bem como a Copa das Confederações ocasionaram paralisações e “Influenciam decisivamente na perspectiva futura e nas projeções dos indicadores econômicos e financeiros, daí, que, sob o ponto de vista, das dificuldades que atravessamos o resultado nos parece positivo, embora, não se possa tomar esses dados para todo o comércio. Há, principalmente, para os micros e pequenos uma maior dificuldade para se manter com os níveis atuais de atividade econômica”. Ainda assim a Divisão Econômica da Fecomércio/RO estima que o crescimento do varejo deve se situar me torno de 6,5 a 8,% maior este ano em relação à 2012. Mas, com a ressalva de que isto ainda depende “Das manifestações de ruas arrefeceram e a economia voltar ao seu ritmo normal”.


Fonte: Ascom Fecomércio RO