Inflação de alimentos afeta os resultados do varejo

13/04/2013 10:41

A disparada da inflação dos alimentos, que afeta principalmente as famílias de menor renda, consideradas o pilar do crescimento do consumo nos últimos tempos, começa a prejudicar as vendas no varejo.

Dados da Associação Brasileira de Supermercados (Abras) mostram que o faturamento real do setor em 12 meses até fevereiro deste ano acumula queda de 4%. Até dezembro do ano passado, o quadro era positivo e as vendas reais do setor encerraram 2012 com alta real de 5,3% em 12 meses.

Com o orçamento mais apertado, as famílias estão cautelosas. Pelo 3º mês seguido, o Índice de Intenção de Consumo das Famílias (ICF) da Federação do Comércio do Estado de São Paulo encerrou março com queda de 4,3% ante fevereiro. Segundo o assessor econômico da entidade, Guilherme Dietze, a retração foi influenciada principalmente pelo pessimismo do consumidor sobre a sua renda atual, afetada pelo aumento da inflação.

Esse aperto no consumo provocado pela alta da inflação pode reduzir em até 1,5 ponto porcentual o crescimento das vendas reais do comércio varejista este ano, revela um estudo do banco Credit Suisse.

No ano passado, o comércio cresceu 8% em termos reais, acima da inflação. Para este ano, Nilson Teixeira, economista-chefe do banco e autor do estudo, projeta três cenários para o desempenho das vendas do varejo. O traço comum entre os cenários é a redução do ritmo de crescimento de vendas na comparação com 2012. Se a inflação anual ficar em 5,6% - cenário mais provável, segundo o economista-, as vendas reais do varejo crescerão 7%. Se a inflação desgarrar e fechar o ano em 6,5%, o varejo terá expansão de 6,5%. No caso de a inflação ficar no centro da meta de 4,5%, a hipótese mais remota, o varejo crescerá 7,5%.

 

Fonte: Portal Newtrade - Via Estadão