Gigantes do autosserviço podem buscar laudos que revelem DNA de cavalo

02/03/2013 08:41

Preocupadas com o escândalo envolvendo carne de cavalo em alimentos processados na Europa, empresas brasileiras como Walmart, Pão de Açúcar e Carrefour confirmaram o interesse em ter laudos de análise de DNA de cavalo como forma de agregar mais segurança a suas linhas de marcas próprias. As três gigantes do varejo informaram estar em contato com laboratórios.

Segundo laboratórios ouvidos pela reportagem do jornal Valor Econômico, a busca por esse tipo de serviço se intensificou nas últimas duas semanas, à medida em que as descobertas de fraudes aumentaram e extrapolaram o limite geográfico da União Europeia. Na quarta-feira (27/2), a Rússia anunciou ter detectado traços de carne de equinos em salsichas importadas pelo país.

"Estamos fazendo uma média de dez orçamentos por dia para análise de DNA de cavalo", afirma Diego Collaziol, diretor da unidade de Garibaldi, no Rio Grande do Sul, do Laboratório ALAC. De acordo com o executivo, os clientes interessados são indústrias processadoras, frigoríficos e redes de supermercados. "Fazemos tradicionalmente laudos de DNA de bovinos, suínos, caprinos e aves. Mas não de cavalo porque não havia demanda. Agora, a situação mudou", diz.

O laboratório paulista da Bioagri, pertencente à francesa Silliker, iniciou o serviço de laudos de DNA de cavalos, na expectativa do potencial de demanda no País. A empresa enviará as amostras para uma unidade do grupo na Itália. Em quatro dias, três clientes enviaram pedidos de orçamento ao laboratório. Com resultado

 

prometido em 15 dias, essas análises custam, em média, R$ 500 por amostra.

Procurados, a Abia (Associação Brasileira da Indústria de Alimentos) e a Abiec (Associação Brasileira de Exportadores de Carne) disseram desconhecer o interesse de seus associados por testes de DNA de cavalo.

 

Fonte: Valor Econômico