Desoneração da folha está aberta a todos os setores, diz Mantega

23/03/2012 09:20

 

Após reunião com grandes empresários no Palácio do Planalto, o ministro Guido Mantega (Fazenda) disse que a desoneração da folha de pagamentos poderá ser feita para todos os setores da indústria.

 

 

 

 

 

 

 

O governo já anunciou a substituição da contribuição patronal de 20% sobre a folha de pagamentos por um tributo sobre o faturamento das empresas para setores como confecções e softwares e, segundo o ministro, negocia com pelo menos outras 10 áreas. A mudança beneficia principalmente setores que necessitam de muita mão de obra.

"Qualquer segmento industrial que quiser fazer a desoneração está aberto. Estamos preparando várias medidas para que isso seja ampliado e, portanto, vamos baratear o custo de mão de obra sem prejuízo para os trabalhadores do Brasil", afirmou.

Mantega disse ainda que o governo vai reduzir tributos sobre investimentos e também os juros de financiamentos para esses gastos, como os oferecidos pelo BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social). De acordo com o ministro, os empresários apresentaram na reunião vários projetos de investimento de até US$ 20 bilhões.

"Percebemos que os vários setores estão animados para realizar grandes investimentos no Brasil", acrescentou.

Segundo o ministro, na reunião --que tinha representantes de instituições como Bradesco e Itaú-- foi discutido ainda formas para aumentar o crédito oferecido e ao mesmo tempo reduzir o chamado spread bancário, que é a diferença entre o custo de captação dos bancos e o valor que cobram em seus empréstimos.

"Vamos tomar medidas para reduzir o custo financeiro, além da taxa básica de juros", completou.

Mantega disse que o governo continuará adotando medidas para segurar a cotação do dólar e ressaltou que as ações tomadas até agora têm dado resultado para evitar a desvalorização excessiva do real.

"O câmbio já esta em um patamar mais favorável e eu posso afirmar que vai continuar assim", afirmou.

Em um momento de crise entre o Congresso Nacional e o Executivo, o governo pediu a ajuda dos empresários presentes para convencer os senadores a votarem o projeto que uniformiza a alíquota de ICMS interestadual. Para Mantega, os Estados estão dando incentivos para a entrada de produtos importados e "exportando" os empregos brasileiros.

"Os empresários estarão dialogando com o Senado de modo que possamos aprovar [o projeto] rapidamente", concluiu.

 

Fonte: Folha.com - por Lorena Rodrigues