Com pequena revolução, loja independente cresce 8,7% real

12/03/2016 10:23

O supermercado independente Comac realizou uma pequena “revolução” na empresa, com a ajuda da consultoria Evarejo. Com um faturamento de R$ 6,2 milhões no ano passado, a loja fica na cidade mineira de Urucuia, na qual 30% da economia é movimentada pelo agronegócio – único segmento que contribuiu positivamente para o PIB brasileiro no ano passado, com alta de 1,8%, segundo o IBGE. Os outros 70% referem-se à renda associada a benefícios do governo.

Não por acaso, boa parte dos clientes do supermercado é formada por aposentados, beneficiários do INSS. Pensando nesse público, a loja teve sua área de vendas reduzida de 600 m² de área de vendas para 560 m². Segundo Alberto Cavalcanti, administrador do Comac, a ideia é facilitar a locomoção desses consumidores. Para isso, foi excluída a seção de vestuário e reduzido o espaço dedicado aos artigos de pesca. Parte do espaço foi utilizado para ampliar os corredores de 1,30 m de largura para 1,80 m. A fim de incentivar a compra de itens de maior valor e margem, o bazar passou a ocupar a entrada do supermercado. Antes, ficava nos fundos. Com essas melhorias, o tíquete médio teve aumento de 10%.

Outra mudança foi o cálculo das compras. A consultoria realizou uma análise de sortimento, estoque e giro. A partir disso, definiu volumes mais adequados de compras e de mercadorias estocadas. Também foi criado um calendário de ofertas para o ano, com as datas e as ações a serem realizadas. Essas iniciativas resultaram em melhores negociações com os fornecedores. Isso permitiu intensificar as promoções realizadas diariamente para atrair consumidores. Nelas, os produtos-alvo são vendidos com até 9% de desconto.

A empresa também tem procurado valorizar os funcionários. Criou um sistema de comissão, pelo qual os colaboradores recebem uma comissão de 0,1% sobre o lucro ou faturamento da seção em que trabalham. Ou seja, se o setor vendeu R$ 100 mil, por exemplo, cada um da equipe recebe R$ 100. A partir desse valor, o supermercado estabelece três metas a serem perseguidas: R$ 110 mil, R$ 120 mil e R$ 130 mil (considerando ainda o exemplo citado). Se o pessoal da seção bater o primeiro valor estipulado, a comissão sobe para 0,2%. Se baterem a segunda, vai para 0,3%; e a terceira, 0,4%. Se o objetivo alcançado for o maior, nesse caso, a comissão para cada funcionário do setor seria de R$ 520.

O ano de 2015 também foi marcado por maiores investimentos em divulgação. Cerca de 1% a 1,5% do faturamento foi destinado a campanhas. Elas incluíram encartes, inserções em rádio e carro de som.

 

Fonte: Supermercado Moderno, por Diego Pinheiro