Classes A e B são as que mais gastam com produtos de limpeza

28/09/2013 14:33

Criados para facilitar o dia a dia de quem lida com as tarefas domésticas, os produtos de limpeza estão evoluindo e acompanhando as mudanças nas necessidades do consumidor e, consequentemente, do mercado. De acordo com dados divulgados pela Abipla – Associação Brasileira das Indústrias de Produtos de Limpeza e Afins, o segmento fechou 2012 com faturamento de 14,9 bilhões de reais, 3,5% a mais do que no ano anterior.

Um estudo que a Abipla encomendou para a Nielsen, mostra que, em 2012, as categorias que mais se destacaram em volume foram: inseticida – nos segmentos gás fumigante (60,8%) e armadilha (14.9%) –, produtos para cozinha (12,9%) e pano de cozinha (14,9). Segundo pesquisa realizada pela Kantar WorldPanel e também encomendada pela Abipla, a cesta de limpeza foi a que mais contribuiu em unidades para o crescimento do mercado no ano passado.

Para Maria Eugênia Proença Saldanha, presidente-executiva da Abipla, há uma tendência de crescimento em categorias de produtos que trazem benefícios e sensações de bem-estar para o consumidor. A executiva explica que, com a mulher cada vez mais fora de casa, comprometida com sua carreira – realidade à qual se somam as mudanças na legislação, como a PEC das domésticas –, os consumidores buscam itens que agregam mais de uma função em um mesmo produto.

Ainda segundo os dados apurados pela Kantar, a importância dos atacadistas como canal de vendas de produtos de limpeza cresceu, representando 6% em valor na preferência do consumidor em 2012. O nível de exigência dos consumidores vem subindo ano a ano em praticamente todas as categorias de consumo. Com o setor de limpeza isso não é diferente. O crescimento e as mudanças nesse mercado refletem a ascensão de consumidores a novas categorias de produtos e a busca por itens de maior valor agregado.

Há ainda uma tendência de migração do consumo de sabão para lavar roupas do pó para o líquido. Para se ter um exemplo, o sabão em pó representa 88% das vendas e o líquido 12%. Porém, por causa dessa tendência, o sabão líquido deverá atingir ocupar 40% da preferência do consumidor. “Isso acontece porque há uma mudança na cultura de uso desse produto”, diz Camila Campos, analista de Marketing da Asa Indústria.

A pesquisa da Kantar para a Abipla mostrou que a população que mais gasta com produtos de limpeza tem entre 40 e 49 anos, enquanto a faixa etária até os 29 anos é a que menos consome. A classe C representa a maior fatia consumidora desse segmento, ao passo que as classes A e B são as que mais gastam com essa cesta.

 

Fonte: Portal Newtrade, por Adriana Bruno