Alimentos em baixa aliviam inflação da terceira idade

13/07/2013 13:50

A desaceleração dos preços dos alimentos, observada entre o primeiro e o segundo trimestre deste ano, trouxe alívio à inflação que afeta os idosos. O IPC-3i (Índice de Preços ao Consumidor da Terceira Idade), que mede a variação da cesta de consumo de famílias majoritariamente compostas por indivíduos com mais de 60 anos, desacelerou para 1,26% no segundo trimestre de 2013, ante variação de 1,82% no período de janeiro a março, informou a FGV (Fundação Getúlio Vargas).

A queda na inflação dos alimentos contribuiu para desacelerar a elevação do IPC-3i: o grupo saiu de alta de 6,52% no primeiro trimestre para avanço de 0,55% no segundo, graças principalmente às hortaliças e legumes, cujos preços caíram 4,04% após elevação de 46,67% nos três primeiros meses deste ano.

Em 12 meses, o IPC-3i acumula alta de 6,21%. A variação do indicador ficou em linha com a taxa acumulada pelo IPC-BR, que mede inflação da média das famílias, sem distinção de faixa etária, que foi de 6,22%, no mesmo período. No segundo trimestre, o IPC-BR foi menor que o IPC-3i: 1,20%.

Segundo o economista André Braz, do Ibre-FGV (Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas), no segundo trimestre houve menor pressão inflacionária principalmente dos alimentos in natura, que subiram muito de preço nos primeiros meses do ano devido à menor oferta, prejudicada por problemas climáticos característicos da época.

 

Fonte: Valor Econômico